Poema de uma

O gosto da boca, osculava
Da textura dos lábios de quem amava
Da usura da paixão, fornicava

Era o amor da alma que se dava
Da incompreensão que calava
Do tácito amargo, desdobrava

Eu era a gueixa, na sua cama esperava
Com sussurros e gritos, te delirava
Mordida na pele, gemidos dava

Chave de pernas, amor que se dava
Era a puta que em sua cama esperava
Pra você, apenas uma que passava

Eu era seu fetiche, seu pecado e nada
Eu era a paixão da sua secura amargurada
Carne e apenas carne que não sangrava

A pele quente, sangue, cortava
Desconsiderada, a pessoa não amada
O corte, o estrago, o vazio que se dava

Agora era o negro, o vazio, o nada
A desgraça, do cansaço, indignava
Do esquecimento daquela que sonhava

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s