Poema aprisionado

A prisão do juízo
Na mudança de destino
Na vivência da maldade

No pó da triteza
Da minha vaidade

Dou-me ao caminho
vivo, de verdade

E deixo de chorar nas despedidas
Pra depois morrer de saudade

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s