Profano

Gozei em teus peitos
E você não disse.

Então pensei que no fundo
Era moça complacente e,
de longe, respeitável

Pensei que fostes alheia
Que nada sentira

Pensei que do prazer vivesse
E nele te fizestes forte

Ignorei-te
Por completo

Moça assim não ama

Ignorei sentimentos
Olhei-te
Apenas uma pedra vi
Uma estátua de prazer
De lembranças sórdidas

Considerando-te louca

Te joguei na sargeta
E tu dissestes:
– Dama na mesa e puta na cama,
a perfeição que não existe.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s