A caixa

Dorme numa noite plácida,
a moça de fita no cabelo
e vida flácida.

Despiu-se das roupas,
poucas e depois
o rítmo veio.

A marca vermelha
trouxe um momento
abrupto.

Do engano.
Na boca;
Na cama;
Espanha!

Espalhado o turpor
No lavabo se sente dor.
…….
_________Respira.

_________________ Ofega.

________________________Fez

_________________ela

___________aquilo

________bem

__feito

______ um

_________quase

______________infarto

_________o medo

______delícia

brinquedo.

Anúncios

4 thoughts on “A caixa

    • Na verdade esse post é parecido com o anterior. Uma parte está explícita, e a outra depende de quem lê. Quando fiz algo perto do concretismo não foi na intenção de mostrar a sexualidade através dos seios… Pensei em outro recurso. Mas acho que seios também são facilmente observáveis no contexto do poema.
      Beijos!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s